A cultura da performance | Dennes Rocha


Não fale assim...
Não se vista assim...
Não ouça isso...
Não toque naquilo...
Não coma isso...

Já ouviu algo semelhante? E a pergunta frequente com relação a isso é: por quê não?

Não me leve a mal, quero deixar claro que existem coisas que são nocivas, perigosas e extremamente prejudiciais pra você e que obviamente você deveria respeitar a recomendação de não fazê-las. Mas, e quando se trata de algo cujo a única base é capricho pessoal do OUTRO?

A coisa mais triste que a religião faz é colocar as pessoas dentro de uma caixa, atolando as pessoas numa lista interminável de "pode e não pode", sob o argumento de uma pseudo "unidade" que não é a unidade pura, genuína e legítima que Deus espera, pelo contrário, é apenas uma uniformidade assustadora que tira e liberdade e nos torna escravos de uma "cultura da performance".

A "cultura da performance" diz que se você não fala assim, veste assim, pensa assim ou anda assim, então você não pode fazer parte da roda. O problema de aceitarmos isso é que nos tornamos escravos dos outros, dos desejos e ambições dos homens.

Jesus combateu o que eu chamo de "cultura da performance". Pra mim, a exortação mais dura que Jesus faz em todo o novo testamento é a que está em Mateus 23. Nesse texto ele condena toda essa cultura que a religião estabeleceu e que mata pessoas. A cultura da performance se preocupa com o que exterior enquanto Jesus transforma o interior. Veja o que Jesus disse:

"Ai de vocês, mestres da lei e fariseus, hipócritas! Vocês limpam o exterior do copo e do prato, mas por dentro eles estão cheios de ganância e cobiça. Fariseu cego! Limpe primeiro o interior do copo e do prato, para que o exterior também fique limpo. Ai de vocês, mestres da lei e fariseus, hipócritas! Vocês são como sepulcros caiados: bonitos por fora, mas por dentro estão cheios de ossos e de todo tipo de imundície. Assim são vocês: Por fora parecem justos ao povo, mas por dentro estão cheios de hipocrisia e maldade." (Mateus 23.25-28)


O foco de Jesus nunca foi o exterior, essa é a razão pela qual posso te afirmar que andar com Jesus não é de maneira alguma uma religião, mas um estilo de vida. Jesus nunca gastou energia pra mudar o exterior de alguém, seu foco estava além do que os olhos podem ver, estava na essência particular de cada pessoa.

O que mais me impressiona no ministério de Jesus era a sua capacidade de produzir unidade na diferença. Jesus não queria uniformidade mas unidade e há uma grande diferença nisso. A uniformidade diz que todos precisamos ser iguais, enquanto a unidade diz que, embora diferentes formamos um Corpo completo. Olhando pro grupo que acompanhava Jesus em suas viagens você encontra gente amorosa como João e esquentada como Pedro mas Jesus nunca quis impôs uma regra, seu foco era outro, era relacionamento.

No Salmo 139 está registrado uma das minhas citações favoritas da Bíblia:

"Eu te louvarei, porque de um modo assombroso, e tão maravilhoso fui feito; maravilhosas são as tuas obras, e a minha alma o sabe muito bem." (Salmos 139:14)

Eu realmente acredito que o fato de Deus criar cada um de nós únicos, com uma digital especifica, seja uma expressão da pluralidade do Seu próprio coração. Deus tem muitas formas e maneiras de se expressar. Olhando por esse angulo, será que Deus realmente espera que sejamos todos iguais? Que cantemos todos iguais, falemos todos iguais, andemos todos iguais? Será que é o propósito de Deus que todos gostemos de amarelo, ou de comer maça, ou de ouvir pop rock?

O Corpo de Cristo é um só, uma só fé, um só espírito, um só batismo, mas ele não é só mão, ou só pé, ou só cabeça. Você consegue ver a diferença? O coração é um só, mas a essência é individual. Quando descobrimos a beleza de sermos quem nós somos não vamos desejar ser outra pessoa.

Ocupamos um lugar individual e legítimo no coração de Deus. Penso que o fato daquele pastor ter deixado as 99 em busca da centésima tem a ver com a beleza dela ser legítima e única. Não somos todos apenas ovelhas. A Biblia diz que Deus tem nosso nome gravado na palma das Suas mãos, isso tem que significar algo. Somos legítimos.

Sempre me surpreendo com a postura de Jesus. Ele não era escravo da performance, não era escravo da aprovação social. Ele sabia quem era e isso era libertador pra que Ele cumprisse seu propósito. Escute, se você não descobrir a beleza de ser legítimo, de ser quem VOCÊ É! Você não será capaz de cumprir o seu propósito. Se você ficar se comparando com outros, desejando viver o chamado de outros, você vai desperdiçar um potencial único que foi dado somente a você.

Há beleza na diversidade do Corpo de Cristo. Não é a toa que naquele dia veremos pessoas de toda tribo, povo, língua e nação unidas. Ser diferente não te faz melhor ou pior que ninguém, te faz apenas único e é essa legitimidade que faz diferença na construção da Casa de Deus.

Por favor, não se torne escravo da aprovação social, do aplauso, da aceitação. Não se torne escravo da comparação. Descubra a beleza de ser você e deixe que o Espírito Santo te mostre a beleza de viver o propósito que foi projetado unicamente pra você.

Dennes Rocha
@dennesrocha94

4 Comentários

  1. Caraca manoooo, esse texto ficou absurdamente tooop!❤🔥🔥🔥

    ResponderExcluir
  2. Caracaaaa!! Que texto!! Meu Deeeus!!
    Li duas vezes pra ter certeza do que eu tava lendo kkkk. Gosto muito de textos que nos confrontam e nos colocam pra pensar. Muito bom mesmo Dennes🙌🔥🔥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Wowww! Obrigado por compartilhar suas impressões 🔥😍

      Excluir